Imagem: Logo Volk do Brasil
Banner: Baixe grátis o Guia de Luvas de Segurança - Aprofunde seu conhecimento sobre o vasto mundo das luvas de segurança. Banner: Baixe grátis o Guia de Luvas de Segurança - Aprofunde seu conhecimento sobre o vasto mundo das luvas de segurança.
Publicado em 31/10/2018

9 principais equipamentos utilizados em trabalhos em altura


Dentre os diversos tipos de acidentes de trabalho, destacam-se os que estão relacionados às atividades desempenhadas em elevadas alturas. Dessa maneira, torna-se indispensável o aprofundamento sobre equipamentos e EPIs para trabalho em altura.  

Nesses ambientes de altura elevada, é fundamental que se tenha colaboradores muito bem treinados, capacitados o suficiente para instruírem o restante da equipe a respeito de medidas de segurança. Com certeza as estatísticas de acidentes de trabalho seriam menos preocupantes se em todos os ambientes de risco à saúde tivessem colaboradores bem instruídos.

Se em terra firme o uso de EPI's já se torna essencial (mesmo assim acaba sendo muitas vezes negligenciado), em grandes alturas é simplesmente imprescindível. 

Dessa forma, destacaremos abaixo 9 equipamentos e EPIs que obrigatoriamente devem ser usados para trabalhos em altura. Confira! 

1. Ancoragem  

Trata-se de um elemento estrutural fixo o qual o trabalhador usará como base para ancorar-se, ou seja, onde os cabos, cordas, cintos e/ou conectores serão ligados. É importante destacar a necessidade de se fazer uma boa análise prévia pela equipe de trabalho para definir o melhor ponto de ancoragem, pois em caso de falha nos outros equipamentos de segurança, a ancoragem é responsável por sustentar o colaborador.

2. Cinto de segurança

Mais comum no modelo semelhante ao usado por paraquedistas, esse dispositivo de segurança envolve o corpo humano na região do peitoral, acima dos ombros e entre as coxas. Vale ressaltar nesse dispositivo a importância de se ter mais de um ponto de sustentação no corpo do colaborador, visto que em caso de uma queda, o tranco sofrido pelo funcionário quando o cinto for acionado seja distribuído ao logo dessas regiões corporais.

3. Conectores

Conhecido também como componente de união, como o próprio nome já diz, é responsável por ligar os diversos elementos de um sistema de proteção contra queda. Há ocasiões em que também pode ser adicionado o absorvedor de energia. Podendo ser encontrado na forma de trava manual ou automática, os principais são: tipo gancho; tipo gancho pequeno; mosquetão e malha rápida. 

4. Cordas e cabos

Na grande maioria das situações, cordas e cabos são os equipamentos que fazem as diversas ligações entre o corpo humano a outros dispositivos de segurança. Ou seja, elaborar um bom sistema de trabalho por cordas é de extrema importância, já que ele além de representar uma proteção contra quedas, serve também para meios de acesso, movimentação e mobilidade. 

5. Escadas

Mesmo que em alturas não consideradas elevadas, é inadmissível um funcionário ter que escalar obstáculos para alcançar o ponto de trabalho. O uso de escada é essencial, já que muitas quedas poderiam ser evitadas por esse equipamento. Infelizmente em várias situações a ferramenta é desprezada e substituída incorretamente por pilha de tijolos, bancos, mesas, tambores, entre outros.

6. Absorvedor de energia

Mesmo que utilizando todos os outros EPI's para trabalho em altura, ainda assim há quedas que representam sérios danos à saúde do colaborador caso ele não utilize esse dispositivo. Isso porque durante uma eventual queda, o trabalhador acumula energia cinética, e quando o cinto de segurança é acionado, dependendo da altura, é vital que essa energia seja dissipada de outra maneira, e não transferida inteiramente para o corpo do colaborador. 

7. Trava-queda

Existem 3 tipos de trava quedas. São eles:

7.1 Trava-queda para uso em linha flexível

Dispositivo de segurança que acompanha o trabalhador durante os movimentos de subida e descida, de forma a seguir seu progresso sem a necessidade de ação manual. Conectado de maneira a deslizar-se sobre a linha de vida flexível, é responsável por fazer o bloqueio automático do movimento em caso de queda, possuindo seu ponto fixo em um local acima do sistema de segurança.

7.2 Trava-queda para uso em linha rígida

Possui as mesmas funções e dinâmica de trabalho do Trava-queda para uso em linha flexível, porém é desenvolvido para atuar deslizando sobre uma linha de vida rígida, tendo sua fixação de forma a restringir a movimentação lateral do sistema.

7.3 Trava-queda retrátil  

É um dispositivo que possui um elemento de amarração retrátil, caracterizado por realizar liberação, retrocesso e bloqueio imediato em caso de queda, tudo de maneira automática.

8. Talabarte

Talabartes são encontrados de duas maneiras:

8.1 Talabarte de segurança antiqueda 

É um equipamento de conexão responsável por ligar o cinto de segurança ao ponto de ancoragem. Vale ressaltar que pela norma, talabartes acima de 09 metros de comprimento necessitam ter um absorvedor de energia acoplado e que atenda a NBR 14629.

8.2 Talabarte de posicionamento

Equipamento de conexão que liga o cinto abdominal ao ponto de ancoragem, de forma a realizar um suporte posicional e restringir a movimentação do trabalhador em zonas consideradas perigosas e com alto risco de queda. 

9. Luvas de segurança 

Por se tratar de tarefas em altura, naturalmente o funcionário precisa utilizar as mãos constantemente para sua movimentação e deslocamento. A utilização de luvas de segurança nessa ocasião se torna necessária devido ao frequente contato que as mãos possuem com equipamentos que podem causar ferimentos (cordas, cabos de aço, conectores, travas).

Além desses equipamentos de segurança, destacam-se também os Sistemas de Proteção contra Quedas - SPQ, ou seja, são as várias combinações possíveis desses EPI's para específicas demandas. Infelizmente o Brasil é um dos países campeões em acidentes de trabalho, exigindo assim automaticamente a busca pela melhoria contínua dos meios de segurança.

Esse serviço só deve ser desenvolvido por uma equipe de segurança do trabalho altamente capacitada, que saiba exatamente quais os riscos que cada atividade pode representar e de qual maneira minimizá-lo. É impensável um funcionário atuar nesse ramo sem o uso do devido equipamento de segurança e simultaneamente auxiliado por um treinado grupo de colaboradores.

Vale ressaltar também que todo EPI para trabalho em altura é projetado com um bom fator de segurança, ou seja, consegue suportar cargas bem superiores as quais ele realmente é exigido. Isso é importante pois quando se trata de tarefas em altura, não se deve trabalhar no limite da segurança.

Gostou do conteúdo? Então assine a nossa newsletter e tenha acesso a outras informações sobre EPI's e segurança do trabalho.


Últimos posts




Comentários