EPI em indústria farmacêutica: os 7 itens essenciais

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Os Equipamentos de Proteção Individual são indispensáveis em todas as funções que oferecem risco ao trabalhador. Dessa forma, conhecer as indicações de EPI em indústria farmacêutica é fundamental, principalmente se levarmos em conta os riscos físicos, químicos e biológicos típicos desse segmento.

Para tanto, é importante que os profissionais e seus empregadores observem a legislação específica. Destacam-se a NR 6, que diz respeito à obrigatoriedade do uso de EPIs, e a NR 32, que dispõe de medidas de segurança na área da saúde. Além disso, vale conhecer quais são os equipamentos mais utilizados na indústria farmacêutica. Confira!

Qual é a importância dos EPIs na indústria farmacêutica?

Os Equipamentos de Proteção Individual são obrigatórios para todos os segmentos. De acordo com a lei do uso de EPIs, é dever do empregador fornecer gratuitamente itens de boa qualidade, adequados a cada serviço e funcionando corretamente. Para que estejam em perfeito estado, é fundamental que passem por avaliações periódicas e tenham Certificado de Aprovação (CA) válido.

Por outro lado, também é obrigação dos profissionais utilizá-los. É preciso ter ciência da importância do seu uso, já que os EPIs ajudam a preservar a integridade física do trabalhador, minimizando a exposição aos fatores de risco. Desse modo, devem ser utilizados somente para a finalidade a que se destinam, além de serem guardados ou descartados adequadamente.

A falta de observação do que diz a lei pode levar a sérias consequências, não só em relação à segurança, como também a aspectos financeiros e legais. A falta de uso — ou até mesmo a utilização imprópria — é passível de multas, indenizações, demissões, interdições e processos judiciais.

Principais riscos na indústria farmacêutica

Nesse segmento, os trabalhadores são expostos a uma série de riscos ambientais que incluem agentes físicos, químicos e biológicos, além, é claro, das situações de perigo que aumentam a probabilidade de acidentes de trabalho. Em relação aos fatores físicos, destacam-se:

  • ruídos;
  • iluminação;
  • vibrações;
  • temperatura;
  • umidade.

Já em relação aos riscos químicos, destaca-se a possibilidade de contaminação por compostos ou reagentes, normalmente manuseados na indústria farmacêutica. Nesse caso, pode ocorrer intoxicação por contato, inalação, absorção dérmica, etc. Da mesma forma, os agentes biológicos — microrganismos como bactérias e vírus — oferecem perigo à saúde e segurança do trabalhador.

Outras medidas de segurança no segmento

Além do uso de EPI em indústria farmacêutica, existem outras medidas que servem para aumentar a segurança dos profissionais e a garantir a manutenção de suas condições de saúde. Os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs), por exemplo, são igualmente obrigatórios e importantes nesse sentido. Os principais são:

  • chuveiros de emergência e lava-olhos: servem para a lavagem rápida dos olhos em caso de contato direto com produtos químicos;
  • capelas de exaustão: são espaços fechados utilizados para a manipulação de substâncias com vapores nocivos à saúde em alta concentração;
  • cabine de segurança biológica: semelhantes às capelas, mas com filtro HEPA acoplado para evitar a contaminação do ar com agentes biológicos;
  • proteção contra incêndios: incluindo sinalização, equipamentos de combate ao fogo, saídas de emergência e treinamentos de equipes especializadas elaborados junto à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA).

Quais EPIs são obrigatórios nesse segmento?

O trabalhador da indústria farmacêutica deve exercer suas atividades profissionais protegido dos riscos químicos e biológicos aos quais é exposto. Para isso, alguns dos equipamentos mais utilizados são os que veremos a seguir!

1. Vestimentas de segurança

As vestimentas de segurança, como os macacões, protegem os membros inferiores, superiores, tronco e cabeça dos usuários. Devem ser preferencialmente descartáveis. É importante que essas vestimentas sejam utilizadas somente no local de trabalho.

2. Luvas de segurança

As luvas de segurança são provavelmente um dos EPIs mais importantes. Afinal, é com as mãos que os produtos químicos e os resíduos biológicos são manuseados. Devem prevenir cortes, contaminação por substâncias e queimaduras por calor ou frio. Existem modelos de PVC, de látex e também as luvas nitrílicas, entre outros materiais.

3. Óculos de segurança

Os óculos de segurança protegem os olhos do profissional contra respingos de substâncias, impactos, lesões, queimaduras ou luminosidade intensa. As lentes devem ser resistentes e se ajustar corretamente ao rosto para que não causem incômodo e atrapalhem a execução das atividades. Além disso, devem ser substituídas imediatamente se apresentarem riscos ou trincas.

4. Sapatos de segurança

Os sapatos de segurança devem ser fechados e adequados à atividade desempenhada pelo trabalhador. Existem modelos de diversos materiais, como as botas de PVC e os calçados de couro — o ideal é que esse equipamento tenha solado antiderrapante. Além disso, para algumas funções pode ser indicado o uso de sapatilhas ou pró-pés descartáveis.

5. Equipamentos de proteção respiratória

Na indústria farmacêutica, pode ser necessária a proteção respiratória, sobretudo quando há manuseio de substâncias tóxicas e contaminantes. Normalmente, os equipamentos são descartáveis, mas também há modelos reutilizáveis — é preciso observar os riscos identificados no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) para definir os respiradores mais indicados.

6. Equipamentos descartáveis

Os equipamentos descartáveis como toucas, máscaras e jalecos em TNT, não são considerados EPIs mas também, são muito importantes na industria farmacêutica, principalmente para a proteção do produto a ser manipulado pelo usuário. Por exemplo, a máscara de TNT previne a contaminação do produto, de secreções respiratória do usuário no ambiente de trabalho. Em algumas atividades, pode ser necessário o uso de toucas ou gorros para evitar que os cabelos não entrem em contato durante o trabalho.

7. Treinamento e uso

Conforme comentamos, não basta apenas fornecer os equipamentos de proteção, é fundamental treinar o trabalhador sobre a utilização adequada, a limpeza e a conservação assim como, informar quando houver alguma avaria.

Como você viu, o uso de EPI em indústria farmacêutica é fundamental para minimizar os riscos aos quais os profissionais desse segmento são expostos. É obrigação do empregador fornecê-los, assim como é dos funcionários da área utilizá-los. Esse cuidado garante mais segurança e contribui para a manutenção da saúde do trabalhador.

Para saber mais sobre os EPIs indicados para o segmento farmacêutico e químico, entre em contato conosco e conheça a nossa linha!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts