Quais são as normas técnicas das luvas de segurança e como identificá-las?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Que tal ouvir esse artigo? Experimente no player abaixo:

 

Quando o assunto tem relação com a segurança do trabalho, um dos principais temas a serem considerados é o uso correto dos EPIs, que vão garantir a proteção dos trabalhadores durante a execução das suas tarefas na empresa. A luva é um dos mais importantes equipamentos de proteção, pois ela preserva a saúde das mãos, que é a nossa ferramenta essencial para diversas atividades.

Como todos os equipamentos são regulamentados e legalizados, existem normas técnicas para luvas de segurança, que devem ser seguidas para entender qual é a melhor para cada tipo de atividade desenvolvida pelo trabalhador.

Se você não conhece muito bem as normas que regulamentam o uso das luvas de segurança, continue por aqui para ver quais são elas, do que se tratam e por que é importante entender as condições de uso que cada uma delas traz. Vamos lá?

Afinal, qual a importância das normas técnicas para luvas de segurança?

É importante entender que, para uma Luva se tornar um EPI – Equipamento de Proteção Individual, é necessário passar por testes em laboratórios que comprovem que o produto oferece a proteção indicada, dentro da norma estabelecida, através da Portaria nº 452 de 20 de novembro de 2014.

Até pouco tempo atrás, os relatórios de ensaio das luvas emitidos pelos laboratórios credenciados, eram encaminhados ao Ministério do Trabalho e Emprego (Posteriormente para a Secretária de Trabalho e Emprego), para a emissão do CA – Certificado de Aprovação. Porém, com a Medida Provisória nº 905, essa condição era para ter sido extinta. Mas, no dia 22 de abril de 2020, através do comunicado do Ministério da Economia, o retorno do CA foi oficializado.

Com isso, volta a informação de que todo Equipamento de Proteção Individual deve ser testado e receber um CA (Certificado de Aprovação) antes de ser comercializado ou utilizado nas empresas para garantir a proteção dos trabalhadores.

Assim que forem publicadas as atualizações sobre esse projeto, informaremos por aqui também.

E quais são as principais normas técnicas para luvas de segurança?

Como existem diversos tipos diferentes de luvas no mercado, há mais de uma norma que regulamenta os requisitos para uso desse equipamento de proteção. A seguir, vamos falar abordar quatro, de acordo com as opções mais usadas.

Norma EN 420

Uma das normas principais a respeito do uso de luvas de segurança é a EN 420, que define os requisitos gerais. Uma das exigências apontadas por essa normatização é a identificação do fabricante, com informações sobre a composição do material, a embalagem da luva, a manutenção que deve ser feita para garantir uma boa durabilidade, bem como a conservação do produto e os tamanhos disponíveis para a comercialização.

Essa norma ainda trata de questões de ergonomia, de conforto e de destreza durante o uso da luva. Isso reflete bastante sobre o tamanho, já que uma luva muito grande para uma mão pequena pode acabar colocando em risco a atividade e não trazendo a proteção necessária para o trabalhador.

Norma EN 388

Já a norma EN 388 traz as regulamentações a respeito das luvas de segurança em ambientes que contêm riscos mecânicos para o trabalhador. O principal foco dessa luva é fornecer uma resistência a agentes mecânicos que podem vir a ferir a mão do indivíduo, causando cortes, perfurações ou machucados mais graves.

Esses itens são classificados de acordo com o nível de desempenho da luva, que é determinado por meio de algarismos que são impressos no material ou em etiquetas internas. Cada um dos níveis é representado no pictograma de acordo com a seguinte ordem:

  • abrasão;
  • cortes;
  • rasgos;
  • perfurações.

Recentemente, em 2016, a norma teve uma atualização, na qual foi inserido um ensaio de corte, para garantir, com mais eficácia, a resistência do material a possíveis cortes, incluindo esse teste nos níveis de desempenho impressos na luva. Ainda foi acrescentada a resistência a impactos, na escala de proteção de riscos mecânicos.

Norma EN 374

A norma EN 374 expõe todas as condições mínimas para luvas de segurança voltadas para atividades em que o trabalhador tem contato com agentes químicos, biológicos ou micro-organismos. A classificação de eficiência desse tipo de luva é medida levando em conta o tempo de permeação do material, ou seja, o período resistente da luva ao contato dos agentes.

Esse tempo de permeação é gravado na luva com os pictogramas, trazendo informações a respeito da quantidade e dos tipos de produtos contra os quais a luva fornece proteção.

Norma EN 511

A norma EN 511, assim como as outras citadas acima, é derivada de uma normatização europeia. Ela traz as regulamentações para o uso de luvas para trabalho em câmaras frias, sendo esse o principal uso aqui no Brasil. No entanto, essas luvas também são próprias para atividades ao ar livre em geral, uma vez que o clima europeu é diferente do brasileiro.

As luvas desse tipo trazem três diferentes algarismos expostos em seu material, para indicar os níveis de desempenho, que são: penetração de água, frio por contato ou frio por convecção. Essas luvas também são aprovadas para a proteção contra agentes abrasivos, escoriantes, cortantes e perfurantes.

No entanto, as três principais proteções das luvas são contra os agentes indicados pelos algarismos. A proteção contra o frio por convecção traz um isolamento para as mãos com relação à exposição em um ambiente de baixas temperaturas, como o ar muito frio.

Já a proteção do frio por contato é o isolamento das mãos quando ela toca objetos resfriados ou muito gelados, como o gelo. E, por fim, a penetração de água impede que a luva absorva o líquido quando submersa, dando a liberdade de o trabalhador ter contato com a água sem molhar a sua mão.

Por fim, vale ressaltar que é importante ter conhecimento sobre as normas técnicas de luvas de segurança, para você se certificar de que todos os equipamentos que está adquirindo foram devidamente testados e têm a qualidade comprovada. Afinal de contas, é essencial oferecer luvas que tenham garantia e que vão realmente proteger a mão dos trabalhadores independentemente do tipo de atividade que executam.

Gostou de entender um pouco mais sobre a importância de se conhecer a respeito das normas técnicas para luvas de segurança? Se quiser ver mais assuntos como esse, confira o nosso post sobre a importância das mãos para diversas atividades do trabalho!

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts