A NR 8 e o uso de EPIs na construção civil

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O mercado de Segurança do Trabalho é regido por uma série de normas regulatórias, das quais faz parte a NR 8. Ela delimita as práticas obrigatórias para garantir a segurança dos trabalhadores da construção civil e proporcionar a eles o máximo de ergonomia e de eficiência no dia a dia. Mas o que diz esse texto legal e quais são os principais EPIs utilizados na construção civil?

No artigo de hoje, você descobrirá tudo sobre a NR 8 e entenderá, de uma vez por todas, como escolher equipamento de proteção individual para a construção civil. Pronto para aprender? Então, vamos lá!

O que é a NR 8?

Como outras normas do setor, ela foi criada no ano de 1978 por meio da Portaria n. 3214. O objetivo desse texto legal é classificar todas as normas relativas à Segurança do Trabalho, à Medicina do Trabalho e à Higiene do Trabalho para garantir o máximo de salubridade nas empresas e indústrias.

Todo o texto descrito nas NRs é obrigatório, ou seja, tem que ser seguido por todas as empresas que fazem a contratação de colaboradores pelo regime da CLT. Cada norma se dedica a descrever as melhores práticas e regras para um determinado setor ou atividade comercial, e a NR 8 é aquela que se destina a regulamentar todas as proteções e garantias específicas para os trabalhadores da construção civil e de edificações.

Quais são os principais pontos dessa norma reguladora?

A NR 8 não apenas descreve os principais EPIs utilizados na construção civil e os recursos que devem ser adotados pelas empresas para melhorar o conforto, a ergonomia e a segurança no ambiente de trabalho. Ela também versa sobre os ambientes de circulação da construção civil e sobre as adaptações necessárias para torná-los mais seguros.

Nos tópicos abaixo, você conferirá os principais pontos dessa norma reguladora.

Circulação

Em sua primeira parte, a NR 8 se concentra em descrever como devem ser feitas as instalações de pisos para garantir a melhor circulação no espaço da obra. Ela determina que os pisos instalados não podem apresentar saliências ou depressões, que as aberturas em passos e paredes devem ser vedadas para impedir a queda de pessoas e objetos e que pisos, escadas e rampas devem oferecer resistência para suportar as cargas que trafegam sobre eles.

Além disso, a norma estabelece a necessidade da instalação de materiais antiderrapantes e outros recursos antiqueda para evitar acidentes em locais em que há risco de escorregamento.

Proteção contra intempéries

Outro ponto importante dessa norma está relacionado às regras para proteger os trabalhadores de intempéries que, segundo o entendimento legal, são todos os fatores externos que fogem do controle do responsável pela obra, como é o caso dos temporais.

Para estar pronta para lidar com esses fatores, a NR 8 define que cada unidade autônoma ou parte externa de uma obra deve observar as normas técnicas oficiais para garantir que os espaços tenham:

  • resistência ao fogo;
  • isolamento térmico;
  • isolamento acústico;
  • resistência estrutural;
  • alta impermeabilidade.

O texto ainda exige que esses locais da obra ofereçam proteção contra a chuva e a umidade e que eles não ofereçam risco de insolação excessiva ou falta de sol.

Quais EPIs são os principais utilizados na construção civil?

Uma empresa cuja atividade-fim está submetida a essa norma reguladora (construtoras e empresas especializadas em reformas e manutenção de edificações, por exemplo) também tem a obrigação legal de obedecer às demais normas, inclusive à NR 6, que trata do uso de equipamentos de proteção.

O equipamento de proteção individual é um dos principais recursos que uma organização tem para manter a segurança da atividade laboral e, portanto, é fundamental identificar quais são os equipamentos de proteção que não podem faltar na rotina dos seus trabalhadores.

Abaixo, você descobrirá os principais EPIs utilizados na construção civil e entenderá como eles colaboram para melhorias na Segurança do Trabalho.

Capacete de segurança

Como quedas de objetos e escorregões são muito comuns nos canteiros da construção civil, um equipamento de proteção individual indispensável para o setor é o capacete. Ele deve ser rígido e oferecer algum tipo de fixação que garanta o conforto e a proteção, principalmente quando o trabalhador está em movimento.

Máscaras e respiradores

Obras movimentam muita poeira e detritos que, quando inalados, podem resultar em problemas respiratórios de longo prazo. Por isso, as máscaras e os respiradores também não podem faltar entre os EPIs da construção civil.

Calçado de segurança

Como você pode notar, o objetivo principal dessa normatização é oferecer proteção para que o trabalhador não caia, mas, se cair, não se machuque durante a queda. Um equipamento que ajuda a contornar esse problema é o calçado de segurança antiderrapante, utilizado para evitar escorregões e proteger as pontas dos pés no caso de queda de materiais pesados, como as vigas de sustentação.

Os calçados de segurança também têm uma ponta especial, feita em metal, que cobre os dedos para que eles não sejam quebrados ou amassados em caso de acidente.

Luvas de segurança

Proteger as mãos é igualmente muito importante para garantir a qualidade do trabalho e a segurança dos profissionais da construção civil. Dessa forma, as luvas de segurança tratam de evitar os cortes e as escoriações causados por equipamentos comuns na construção civil e são muito utilizadas no setor para garantir a Segurança no Trabalho.

Cintos de segurança

Por último, não devemos esquecer que a construção civil é um setor que depende do trabalho em grandes alturas. Para coibir riscos de queda e evitar acidentes com consequências drásticas, o cinto de segurança é utilizado nesse segmento para assegurar que os profissionais não despencarão durante a execução de tarefas em suspensão.

As normas regulatórias são essenciais para o bom funcionamento das empresas e indústrias, pois garantem a proteção e a segurança dos colaboradores. A NR 8 determina especificações relacionadas ao ambiente de trabalho que fazem muita diferença na qualidade de vida e no conforto dos profissionais.

Quais são os 5 erros mais comuns na segurança de edificações?

Agora que você já conhece os principais tipos de EPIs usados na construção civil, que tal entender como a maioria dos acidentes nesse setor acontece? Selecionamos os principais erros na segurança de edificações e mostramos para você como contorná-los com estratégias de Segurança do Trabalho, como a utilização de EPIs. Confira!

1. Usar EPIs de má qualidade

Uma obra é tão eficiente quanto os equipamentos que usamos nela, não é mesmo? Do cimento ao tijolo e às madeiras, tudo deve ser escolhido para que apresente qualidade, durabilidade e alta segurança para os futuros moradores. Mas, buscando maneiras de economizar, algumas construtoras cortam o orçamento de EPIs e adquirem equipamentos de baixa qualidade ou sem certificação.

Investir em EPIs de qualidade é um jeito simples de garantir que os seus profissionais estarão bem equipados para realizar as atividades do dia a dia e incorrerão em menores riscos.

2. Ignorar as regras do setor

Conforme mostramos ao longo deste texto, a NR 8 regulamenta como e quais tipos de EPIs são usados na construção civil. Mas, mesmo com esse texto legal bastante claro, muitas empresas falham em aplicar as suas instruções no dia a dia e aumentam o risco da incidência de acidentes.

Por isso, faça uma boa leitura do documento e compare com as ações de segurança implementadas pela organização. Há grandes chances de algumas delas não estarem de acordo com o texto da lei sobre proteção aos indivíduos que trabalham no segmento e contornar isso é uma das formas mais fáceis de prevenir acidentes.

3. Não ter a iluminação adequada

Quando um edifício está em construção, nem sempre ele tem os equipamentos necessários para que o trabalho dos profissionais da construção civil seja bem executado. Um desafio constante nas obras é referente à iluminação adequada.

Nem sempre a luz natural é a mais indicada para garantir a segurança dos colaboradores, principalmente quando consideramos os ambientes internos da obra. Verificar se há uma boa visibilidade em todas as horas da jornada de trabalho é uma maneira de evitar acidentes comuns, como quedas e escorregões na construção.

4. Não ter profissionais qualificados

Outro problema comum na construção civil é não encontrar profissionais qualificados o suficiente para trabalhar em uma obra. Ao contrário do que você imagina, isso não refletirá apenas em uma qualidade menor no resultado final. Profissionais com baixa qualificação também estão mais em risco de acidentes porque não conhecem os procedimentos adequados para se proteger.

Por isso, é necessário ter atenção no momento de contratação e verificar o quanto cada um dos colaboradores sabe sobre Segurança do Trabalho antes de enviá-los para a obra. Se preciso, vale investir em treinamentos curtos sobre Segurança do Trabalho, que podem ser ministrados pelos membros mais experientes da equipe e que ajudarão a reduzir o risco de acidentes na obra.

5. Não investir em uma boa análise de riscos

O primeiro passo de qualquer projeto é a análise de risco. Durante essa análise, são observados os pontos fracos e fortes do projeto, bem como o que fazer para que surjam tão poucos percalços quanto possível.

A Segurança do Trabalho deve ser incluída entre os procedimentos de análise de risco. Fazer isso permitirá que a equipe saiba quais são as áreas mais sensíveis do processo de construção, com maior incidência de acidentes, e possa dar atenção especial aos procedimentos de segurança nessas etapas de maior risco.

Descumprir qualquer uma das disposições legais determinadas pela NR 8 acarreta muitos problemas para as empresas, como multas e punições severas, chegando até ao fechamento da obra. Portanto, é fundamental ter atenção aos pontos mencionados aqui e procurar implementá-los o quanto antes para não sofrer prejuízos desnecessários.

Gostou de conhecer mais sobre os principais EPIs utilizados na construção civil e sobre a NR 8? Agora é hora de aplicar esse conhecimento. Fale com um dos especialistas da Volk do Brasil já!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts