Taxa de frequência e gravidade: entenda o que são e aprenda a calculá-las

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Que tal ouvir esse artigo? Experimente no player abaixo.


Você saberia determinar quantos dias de trabalho foram perdidos na empresa em função dos afastamentos de funcionários vitimados por acidentes de trabalho? Para chegar a esse resultado, basta entender melhor uma métrica conhecida como taxa de gravidade.

Ela é composta pelo tempo de trabalho perdido por causa de acidentes de trabalho. Junto com outros KPIs, como a taxa de frequência — calculada sobre acidentes e horas trabalhadas —, a sua empresa conseguirá entender muito melhor quais ações são necessárias para reduzir acidentes de trabalho.

Quer entender direitinho as taxas de frequência e gravidade? Continue a leitura para aprender a calcular esses indicadores de segurança do trabalho.

O que é a taxa de gravidade?

A NBR 14280 define a taxa de gravidade como o tempo computado por milhão de horas-homem de exposição ao risco em determinado período. Isso significa que é possível determinar quantos dias de trabalho foram perdidos em decorrência de afastamentos, incapacidades permanentes ou mortes para cada 1 milhão de horas de trabalho. Ou seja, esse dado determina quanto tempo de trabalho uma empresa perde em função dos acidentes em um determinado período — que pode ser um mês, por exemplo.

Por que essa medição é importante?

Muito mais que o aspecto da produtividade, pelo ponto de vista do bem-estar do trabalhador, a taxa de gravidade permite que seja feita a análise sobre a gravidade dos riscos aos quais os trabalhadores estão expostos. Assim, é possível confrontar essa informação com as medidas de segurança do trabalho que são adotadas pela empresa, a fim de atestar se elas são, de fato, eficientes ou se precisam de aprimoramento.

Quais dados preliminares são necessários para o cálculo?

Para calcularmos a taxa de gravidade, previamente precisamos saber quantos dias de trabalho foram perdidos e quantos foram debitados. Os dias perdidos dizem respeito ao tempo de trabalho no qual o empregado ficou afastado em decorrência de algum acidente de trabalho, excluindo o dia do acidente e o do retorno.

Os dias debitados são aqueles que devem ser contados no caso de morte ou de incapacidade permanente do trabalhador, em conformidade com o quadro 1 da NBR 14280. Por exemplo, a morte do trabalhador gera um débito de 6.000 dias de trabalho, ao passo que a amputação de uma mão gera 3.000 e a perda da visão de um olho 1.800 dias.

Ainda, precisamos ter a somatória das horas de trabalho de todos os empregados no período ao qual se deseja saber a taxa de gravidade, durante os quais eles ficaram expostos aos riscos de acidentes de trabalho. Por exemplo, se uma empresa tem 10 funcionários trabalhando 40 horas semanais, teremos 400 horas-homem de exposição ao risco durante uma semana (10 x 40). De posse dessas informações, basta aplicar a fórmula abaixo.

Como calcular a taxa de gravidade?

Vamos considerar:

  • TG, como sendo a taxa de gravidade;
  • T é o tempo computado pela somatória entre os dias perdidos e os dias debitados;
  • H é o dado de horas-homem de exposição ao risco.

Assim, TG = T x 1000/H

Por exemplo, uma empresa tem 500 funcionários trabalhando 200 horas/mês cada um. Então, em um mês ocorrem três acidentes de trabalho. Um deles resulta em uma amputação de perna — 4.500 dias debitados — e os outros dois em três e cinco dias de afastamento, respectivamente. Assim, teremos:

  • TG = (3 + 5 + 4.500) x 1000/ 500 x 200 = 45,08.

Isso representa que, para cada 1 milhão de horas trabalhadas, houve perda de 45,08 dias em decorrência de acidentes de trabalho.

O que é taxa de frequência?

Outra métrica importante para a segurança do trabalho, e que mencionamos logo na introdução deste artigo, é a taxa de frequência. Seu objetivo é bastante diferente do que obtemos com a taxa de gravidade. A taxa de frequência funciona como uma estimativa de acidentes por milhão de horas trabalhadas. O cálculo dessa métrica segue a NBR 14280 da ABNT e para ela não são consideradas eventualidades como acidentes no trajeto para o trabalho.

Por que medir a taxa de frequência é importante?

Dentre as métricas de segurança do trabalho, o cálculo da taxa de frequência é importante porque as empresas precisam ter esse número em mãos no preenchimento de documentos obrigatórios, como o SESMT. A obrigatoriedade do cumprimento da NR4 exige que esse dado, junto com o da taxa de gravidade, seja arquivado para consulta do Ministério do Trabalho e Emprego durante auditorias.

Quais dados são necessários para calcular?

Para identificar a taxa de frequência de acidentes na sua empresa, será necessário ter em mãos antes alguns números importantes. Eles são:

  • N, que é o número de acidentados total;
  • H, o período de horas trabalhado antes da ocorrência desses acidentes.

Esses números podem ser customizados de acordo com o tipo de resposta que você deseja obter. O N, por exemplo, pode considerar apenas aqueles acidentes que levaram ao afastamento com pagamento de indenização. Outra opção é considerar acidentes com e sem afastamento.

Como calcular a taxa de frequência?

Calcular a taxa de frequência é muito fácil. Basta seguir a fórmula que demonstramos abaixo:

  • TF = N x 1.000.000/H

Essa fórmula oferecerá uma resposta para um milhão, ou seja, qual a chance de acidentes acontecerem no período determinado pela fórmula em uma empresa X.

Como essas duas taxas funcionam juntas?

Quando combinamos os valores obtidos nos cálculos das taxas de frequência e gravidade, obtemos um valor importante para a segurança do trabalho: o índice de acidentados.

Esse número é obtido com a seguinte fórmula:

  • IA = (F + G)/100

Na qual, F é a taxa de frequência, G a de gravidade e IA o Índice de Acidentado em porcentagem.

Tomar decisões é muito mais fácil quando se pode contar com um conjunto de dados confiáveis. As taxas de frequência e de gravidade são dois indicadores relevantes para determinar o sucesso da estratégia de segurança do trabalho da sua empresa e entender o que precisa ser melhorado nesse departamento.

Agora que você já sabe como calcular a taxa de frequência e gravidade, além de por que essas métricas serem importantes, é hora de se aprofundar em prevenção de acidentes de trabalho. Apenas assim você conseguirá melhorar esses números na sua empresa.

Pronto para aprender? Baixe o nosso e-book sobre prevenção de acidentes no trabalho: como reduzir adversidades.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts