Imagem: Logo Volk do Brasil
Banner: Baixe grátis o Guia de Luvas de Segurança - Aprofunde seu conhecimento sobre o vasto mundo das luvas de segurança. Banner: Baixe grátis o Guia de Luvas de Segurança - Aprofunde seu conhecimento sobre o vasto mundo das luvas de segurança.
Publicado em 18/04/2018

Como funciona a utilização de EPIs em metalúrgica?


A segurança do trabalhador é um tema sério. Por pura negligência, acidentes acontecem mesmo quando poderiam ter sido tranquilamente evitados. O setor metalúrgico, por exemplo, chama atenção quando o assunto é esse. E cada vez mais, a utilização de EPIs vem servindo para prevenir eventualidades.

Neste artigo, vamos falar exatamente sobre isso. Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) são fundamentais para amenizar os riscos dos profissionais. Entretanto, é preciso saber como usá-los. Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura!

Tipos de EPIs na metalurgia

Os metalúrgicos precisam se submeter a diversas funções no trabalho. Por vezes, atuam sob posse de equipamentos e máquinas, ou em lugares muito altos e com variações constantes de temperatura — isso os expõe ao risco de acidentes.

Para que as ocorrências sejam evitadas, é essencial o uso de equipamentos de proteção. Entre os mais utilizados na metalurgia, estão os Equipamentos de Proteção Coletiva (EPCs), que são dispositivos, medidas, sinais, imagens, instrumentos ou sons voltados à proteção. Também se destacam os EPIs de uso pessoal, que protegem diretamente o trabalhador.

Fatores de risco

Em qualquer atividade de trabalho que possa colocar em risco a saúde do trabalhador é fundamental o uso de EPIs. Homens e mulheres que atuam em metalúrgicas devem usar as proteções diariamente.

O risco de um potencial acidente está mais concentrado nas pequenas indústrias que atuam na transformação de metais. Isso porque ainda existem inúmeras instalações deficientes com respeito à segurança, em especial nos equipamentos e máquinas.

As falhas acontecem em ambientes sem a devida organização e durante atividades que podem levar o profissional a sofrer quedas ou lesões por ações repetitivas. Não utilizar equipamentos de proteção muitas vezes resulta em cortes, queimaduras, esmagamentos e amputações de membros. Dessa forma, o correto é a prevenção e a antecipação aos riscos, de modo a evitar grandes prejuízos físicos e financeiros.

Acidentes de trabalho

Uma empresa comprometida com seus funcionários sabe dos riscos de acidentes e atua na conscientização. Definimos acidente de trabalho como todo ocorrido durante a execução de alguma atividade profissional que gere dano funcional ou perda da capacidade de trabalho.

Entre eles estão:

  • doença do trabalho ou profissional, desenvolvida ou ocorrida pelo exercício do trabalho;

  • acidente típico, que acontece devido a execução do trabalho da empresa;

  • acidente de trajeto, este pode ocorrer entre o caminho da casa do trabalhador e o local de trabalho ou ao contrário.

Todos esses acidentes podem trazer danos físicos e mentais, envolvendo necessidades médicas e custos financeiros. Dependências de outras pessoas para movimentação, falta de proteção à família, problemas psicológicos e desemprego são outros exemplos de consequências relacionadas aos acidentes de trabalho.

Normas da utilização de EPIs

A proteção ao trabalhador no ambiente profissional é regida por cerca de 34 normas regulamentadoras. Destas, 29 podem ter aplicação na metalurgia. Conheça três das mais relevantes delas:

  1. Norma Regulamentadora Nº 3 (embargo ou interdição) dispõe sobre a situação de trabalho onde há risco grave ao trabalhador, implicando sobre a paralisação total ou parcial da empresa. O embargo resulta em paralisação parcial ou total da obra;

  2. Norma Regulamentadora Nº 5 (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA) estabelece a criação de uma Comissão Interna formada pelo empregador e por colaboradores da empresa. O grupo fica responsável pela prevenção de acidentes e doenças que podem decorrer do trabalho. É uma norma obrigatória em empresas privadas e órgãos;

  3. Norma Regulamentadora Nº 6 regula o uso obrigatório de equipamento de proteção individual, atentando para a saúde e integridade física do trabalhador. Os EPIs devem ser entregues ao trabalhador de forma gratuita e seu uso precisa ser fiscalizado pela organização.

Nesse cenário, os supervisores das empresas devem garantir que os trabalhadores façam uso correto e regular dos equipamentos. Dentro de todo o expediente de trabalho, os instrumentos devem ser usados conforme a orientação da organização.

Principais Equipamentos de Proteção Individual

A área da metalurgia é de muitos riscos de acidentes físicos. Cada função determina o tipo de equipamento de proteção que deve ser usado pelo empregado. Perigos físicos estão mais concentrados em incêndios e no uso errado de equipamentos que soltam peças e causam acidentes.

Os riscos de exposição envolvem contaminação por inalação de determinados produtos e a possibilidade de desenvolver problemas respiratórios, além de doenças de pele. Portanto, é importante levar em conta que, em uma metalúrgica, os equipamentos são específicos de acordo com cada atividade. Confira, então, os cinco principais meios de proteção contra acidentes:

1. Macacão de segurança antichama

O equipamento é usado nas tarefas que exigem a utilização de altas temperaturas e os riscos que envolvem essa função.

2. Luvas de proteção

Com a grande diversidade de funções exercidas na metalurgia, é também diverso os tipos de luvas de proteção. Entre elas podemos citar: as que resistem a alta temperatura ou ao calor e as que resistem a cortes.

Muitas vezes produzidas em couro, com forração epecial para proteger contra o calor e atividades de solda, além de modelos especiais que protegem no manuseio de peças ou materiais cortantes, que exgiem precisão e tato ao mesmo tempo que é necessário proteção contra cortes e abrasão.

3. Óculos, máscaras e capacetes de proteção do rosto e cabeça

Proteger os olhos com óculos que atendam a necessidade de cada função é de extrema importância na metalurgia. Existem muitos modelos disponíveis, que variam as lentes, os ajustes, os tratamentos e acessórios. Outros produtos são os capacetes e as máscaras que levam segurança contra impactos e ao trabalho com solda.

4. Proteção auditiva

Auxiliares na prevenção da perda auditiva ocasionada pelo ruído, os protetores auriculares proporcionam conforto e são conhecidos pela facilidade no manuseio.

5. Calçados de proteção

Os calçados são utilizados contra vários riscos de acidentes, entre eles objetos cortantes e perfurantes nos pés, além produtos químicos, pregos ou pedaços de vidros. Os modelos variam conforme a atividade e o ambiente de trabalho.

Conforme acompanhamos, várias complicações podem ser evitadas com o simples cumprimento das normas. Porém, do contrário, todos sofrem com problemas - os funcionários e a empresa. A solução está na prevenção, por meio de cuidados que envolvem a utilização dos equipamento de proteção correta e constantemente. Quer saber mais sobre a utilização de EPIs? Então, assine nossa newsletter!


Últimos posts




Comentários