Veja como escolher a luva de proteção para manipulação de alimentos!

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Seguir os padrões e exigências da ANVISA é necessário em todas as áreas, inclusive quando o assunto é luva de proteção para manipulação de alimentos. Isso porque muitas pessoas não fazem ideia de como é fundamental utilizar esse item de forma adequada ao manipular alimentos, já que isso pode gerar grandes problemas para o consumidor e para os funcionários do estabelecimento, tendo em vista ser um equipamento de proteção individual (EPI).

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto. Acompanhe!

Quando o uso de luvas de proteção para manipulação de alimentos é obrigatório?

As luvas de proteção são um dos principais meios usados para evitar a contaminação de alimentos, por esse motivo, as legislações sanitárias são bastante pontuais quanto ao uso desse equipamento, por exemplo, a Portaria 326/1997, da Secretaria de Vigilância Sanitária.

Utilizar luvas na manipulação dos alimentos é primordial para garantir a segurança, tantos os clientes quanto dos colaboradores, mas para que isso ocorra, é necessário entender sobre os seus tipos e saber o momento certo e quando usá-las.

As luvas são um equipamento importante na cozinha, já que evitam os riscos de contaminação por meio dos alimentos. A finalidade delas é evitar que as mãos dos funcionários toquem nos alimentos e demais itens de risco. Assim, eles ficam protegidos contra doenças ou de transmiti-las aos consumidores.

A luva de proteção para manipulação de alimentos é recomendada nas seguintes situações:

  • em casos de alimentos prontos que passaram por processo térmico;
  • na preparação e manuseio de alimentos prontos para uso e que não sofreram tratamento térmico;
  • no manuseio de tubérculos e folhas utilizadas em saladas corretamente lavadas.

O indicado é sempre utilizá-las toda vez que o alimento estiver preparado para consumo e o manipulador for tocá-lo diretamente com as mãos, por exemplo, arrumar mandiocas no prato do cliente. Além de usar as luvas, é necessário higienizar as próprias mãos antes de pegar nos alimentos, pois, sem esse cuidado, o uso das luvas não vai fazer tanta diferença.

O que é RDC-26/2015?

A Resolução da Diretoria Colegiada (RDC), trata-se de um conjunto de aspectos e boas práticas a serem seguidos de acordo com a determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

A RDC-26/2015 é uma norma que faz algumas recomendações sobre a rotulagem alimentícia para produtos alergênicos. Nesse caso, a existência de produtos que geram alergias alimentares ou de crustáceos e seus derivados, precisam ser apontadas na embalagem.

Essa regra se aplica aos alimentos embalados sem a presença do consumidor, ou seja, industrialmente. Nesse caso, precisam informar a existência de itens com potencial para provocar alergia, conforme os tipos alimentares classificados como alergênicos, por exemplo:

  • peixes;
  • trigo, centeia, aveia, cevada;
  • ovos;
  • crustáceos;
  • soja;
  • amendoim;
  • macadâmias;
  • leites de qualquer tipo de animais mamíferos, entre outros.

Em relação aos alimentos aos quais a RDC-26/2015 não se aplica, estão:

  • alimentos embalados que sejam preparados ou fracionados em serviços de alimentação ou vendidos no próprio estabelecimento;
  • alimentos comercializados sem embalagens;
  • alimentos embalados nos locais de venda a pedido do cliente.

A presença do látex natural durante o processo de fabricação do alimento também precisa ser indicada, mesmo que as chances de contaminação cruzada sejam mínimas e originarias somente da manipulação dos alimentos com a luva de produção feita desse material.

Isso porque o látex é considerado uma proteína natural, que apenas o contato com um alimento é capaz de contaminá-lo, e existem pessoas que apresentam intolerância a esse material, gerando reações alérgicas caso consumam um produto que esteja contaminado.

Para evitar que isso aconteça, as recomendações da ANVISA são as seguintes:

  • usar luvas sintéticas para a manipulação dos alimentos;
  • caso use luvas de látex, declarar de forma obrigatória na embalagem: “alérgicos: pode conter látex natural”.

Dessa forma, é possível entender como a RDC-26/15 influencia na escolha da luva de proteção para manipulação de alimentos. Então, quem faz parte da indústria alimentícia precisa estar atento a esse direcionamento, já que o descumprimento da recomendação pode levar à contaminação do consumidor final e afetar a sua saúde.

Quais fatores devem ser considerados ao escolher a luva ideal?

Após entender sobre as principais recomendações, o ideal é observar alguns requisitos para escolher a luva de proteção mais adequada para exercer as atividades. Nesse tipo de situação, alguns critérios são relevantes, como:

  • como a luva será usada;
  • grau de risco de contaminação caso algum contato ocorra;
  • certificação do fabricante e se testes são feitos com frequência;
  • custo do material, entre outros.

Além disso, é preciso entender um pouco mais sobre os tipos de luvas disponíveis no mercado, já que vários modelos podem ser usados para o manuseio de alimentos. Por esse motivo, separamos aqui os mais usados para que você entenda as diferenças e suas aplicações.

Látex

São boas para o manuseio de peixes e tarefas gerais na cozinha. No entanto, nas versões descartáveis é preciso que sejam descartadas depois que sua utilização for finalizada. Além disso, é necessário seguir todas as recomendações da ANVISA para evitar alergias provocadas pelo material do item aos consumidores e funcionários.

Malha de aço

São bastante utilizadas para proteger de cortes de carnes, gerando ao mesmo tempo segurança. Diferentemente de outros materiais, podem ser lavadas com água e outros produtos, e guardada para uso posterior. Contudo, é necessário continuar observando as regras de manipulação para evitar contaminação.

Nitrílica

Desenvolvida por meio de borracha sintética, é uma opção interessante para quem apresenta alergia ao látex. Também possuí a versão descartável e a reutilizável. Importante verificar com Técnico de Segurança e o fabricante, qual é a mais indicada para cada atividade.

Agora que você entende os principais pontos que envolvem o uso de luva de proteção para manipulação de alimentos, é importante estar atento às recomendações e dicas apresentadas. Assim, é possível garantir um processo mais seguro e de qualidade na indústria de alimentos, evitando que qualquer risco de contaminação ou acidente possa afetar os clientes ou colaboradores.

Quer entender melhor como escolher os tipos de luvas mais adequados de acordo com a atividade executada? Então, entre em contato com a gente e veja como podemos ajudar!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts