7 EPIs obrigatórios em indústria de alimentos e sua importância

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Escute esse artigo! Clique no player abaixo!


Infelizmente, acidentes de trabalho fazem parte da realidade de todos os setores industriais, gerando, além de danos à saúde, grandes prejuízos para a economia causados por indenizações e paradas da produção. A indústria alimentícia compõe esse triste cenário por contar com diversos processos que representam risco à saúde. Dessa forma, o uso do EPI em indústria de alimentos torna-se indispensável.

Com o crescente progresso industrial alinhado com o número de acidentes de trabalho, surgiu a necessidade da elaboração de normas de segurança que resguardassem o colaborador. Dessa forma, nascem na década de 1970 as primeiras normas regulamentadoras de segurança, com o objetivo principal de proteger a saúde humana durante o desempenho de atividades trabalhistas.

Foram dessas normas de segurança que os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) ganharam representatividade e projeção. Os EPIs tratam-se de utensílios (de uso obrigatório quando necessário) que visam manter o conforto e a saúde humana durante a realização de tarefas que possam representar algum risco à vida. 

Conheça agora sete EPIs usados na indústria de alimentos!

1. Luvas de proteção 

Existem diversas tarefas nesse ramo que precisam do manuseio constante de insumos e produtos químicos para a realização, por exemplo, de misturas, separação e controle de qualidade. Por manter esse contato direto, o uso da luva de proteção é essencial. Ela protege o trabalhador de riscos químicos (queimaduras e reações alérgicas), biológicos (contaminação) e físicos (cortes e impactos).

Atualmente, há vários modelos de luvas de proteção no mercado, porém especificar o melhor modelo requer o conhecimento de cada tarefa. Um bom exemplo para processos que necessitem de isolamento químico são as luvas nitrílicas, que oferecem boa flexibilidade durante o manuseio e alta resistência. 

Já para atividades que demandam a utilização de facas de corte, as luvas resistentes a corte alimentícia são consideradas as melhores opções para proteção das mãos. 

2. Botas

Um bom calçado de segurança não oferece apenas proteção para os pés, mas sim conforto durante a locomoção e realização do serviço. As botas fazem o importante papel de manter os pés seguros de impactos na queda de objetos, objetos cortantes, escorregões, umidade e contaminação em geral.

As botas de Policloreto de Vinila (PVC) — ou popularmente chamadas de botas de borracha — são as mais utilizadas na indústria alimentícia. Isso porque além de oferecem todos esses itens de proteção, são leves, fáceis de lavar e têm alta resistência, o que garante uma boa durabilidade.

3. Vestimentas de proteção térmica

As vestimentas de proteção térmica tem o objetivo de proteger o colaborador contra alta ou baixa temperatura.

Podem ser japona, calça, capuz e meia para ambientes frios, como trabalhos em câmaras frias por exemplo, ou aventais para proteção ao calor, no trabalho com fornos industriais ou assadeiras.

4. Protetor auricular

Ruídos e barulhos excessivos são normais em todos os setores do ramo da indústria alimentícia, isso porque há muitas máquinas e equipamentos que emitem sons de alta intensidade. A proteção para os ouvidos é essencial para manter a saúde auditiva do colaborador, evitando assim a surdez. 

O grande problema nesse aspecto é que a perda auditiva é progressiva e muitas das vezes ocorre de maneira bastante lenta, ou seja, ocasionalmente o trabalhador já está habituado a desempenhar certa atividade sem o uso do protetor auricular, mas não porque a tarefa é inofensiva, mas sim pelo fato da perda auditiva (ainda que pequena) já ter ocorrido.

A utilização desse EPI se faz necessária para qualquer atividade de alta intensidade sonora, mesmo que a princípio o ruído não incomode o funcionário.

5. Respiradores

A qualidade do ar em específicos setores da indústria de alimentos não é a apropriada para a respiração humana, contendo insumos e fumos que são prejudiciais à saúde quando inalados. Por isso, o uso de um equipamento de segurança que contenha filtros capazes de melhorar a qualidade do ar respirado é essencial.

Sendo assim, esse EPI protege o colaborador de doenças respiratórias, bem como evita a perda gradativa do olfato. Mais uma vez cabe ao colaborador a atenção em usá-lo em todos os ambientes necessários, mesmo que ele não sinta o incômodo aparente. 

6. Avental 

Há muitos processos na indústria alimentícia que utilizam água e outros produtos químicos diluídos. Logo, esse equipamento de segurança visa isolar o corpo do colaborador mediante a realização dessas tarefas. 

Oferecendo impermeabilidade e adequado conforto térmico, o avental é indispensável, por exemplo, para quem trabalha em setores frigoríficos ou de limpeza de alimentos. 

7. Mangotes 

Esse utensílio é fundamental para a proteção dos braços contra respingos e contato com objetos cortantes. Seu material ideal varia de acordo com a específica demanda, sendo encontrado tanto para a proteção contra agentes corrosivos quanto para proteger contra risco de corte ou oferecer um bom conforto térmico durante a execução do serviço.

Obrigações do empregador

Portanto, seguindo esse protocolo de proteção, existem medidas que contam com o respaldo das normas regulamentadoras de segurança e que as empresas obrigatoriamente devem seguir. As principais são:

  • disponibilizar todos os EPIs necessários e em bom estado para os colaboradores; 
  • repor de forma gratuita e imediata qualquer EPI, sempre que necessário;
  • mapear as áreas que oferecem risco à saúde;
  • criar dentro da empresa programas de segurança do trabalho;
  • realizar simulações de acidentes de trabalho e análise de riscos. 

Vale lembrar também que tão importante quanto usar o EPI ideal é ter a certeza da qualidade e procedência do equipamento. O colaborador pode estar utilizando o devido EPI na hora correta, porém, se o equipamento não for de boa qualidade, o risco de acidente de trabalho não é minimizado. 

Por isso, a busca por empresas especializadas em segurança do trabalho é indispensável para a garantia da saúde humana durante a realização de serviço crítico. Dessa forma, empresas confiáveis e um bom EPI em indústria de alimentos são ótimos exemplos de práticas para frear o crescente número de acidentes de trabalho. 

E aí, gostou de conhecer os EPIs obrigatórios em indústria de alimentos? Então leia também sobre a importância do uso do EPI na indústria e entenda mais a respeito de práticas de segurança!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts