Cálculo OEE: entenda para que serve e como calcular!

Compartilhe este post

Na indústria, existem alguns tipos de indicadores de desempenho que precisam ser mensurados e verificados a fim de permitirem a avaliação dos níveis de produtividade e eficiência dos processos industriais. Ao realizar essa checagem, é possível perceber os fatores que têm impactado as possíveis quedas de produção para fazer as devidas correções. Um desses importantes indicadores é o cálculo OEE, que mede a eficiência dos equipamentos industriais e aponta as necessidades de melhorias.

Para entender mais a fundo como funciona esse cálculo e descobrir como fazê-lo a fim de obter os melhores níveis de produtividade na sua indústria, continue a leitura!

Saiba o que significa o cálculo OEE

O cálculo OEE é uma métrica que atua como um indicador-chave de desempenho. Ele não só mede o índice global de eficiência dos equipamentos industriais, como também indica onde os processos podem e devem ser melhorados, além de mostrar a necessidade de efetuar correções no maquinário durante as manutenções.

Com esse KPI, é possível identificar a quantidade de peças dentro do padrão de qualidade que foram fabricadas por determinadas máquinas em comparação à sua capacidade total de produção e também a velocidade com a qual a máquina conseguiu operar. Dessa maneira, o cálculo OEE consegue mensurar se as máquinas estão funcionando em sua capacidade total na fabricação de novos itens. A partir da observação desse cálculo, é possível verificar:

  • qual equipamento tem maior produtividade;
  • qual é a produção máxima dos equipamentos industriais;
  • qual é o nível de qualidade da produção fabricada;
  • qual máquina está trazendo prejuízos para a empresa.

Ao utilizar o cálculo OEE e avaliar todos esses índices de desempenho, a empresa pode identificar com precisão em quais processos de fabricação ocorrem defasagens com o objetivo de tomar medidas corretivas para minimizar os prejuízos causados pela queda de produção.

Conheça os indicadores que compõem o OEE

Para realizar o cálculo OEE e descobrir qual é o índice de eficiência e de produtividade das máquinas, antes, é necessário compreender quais são os indicadores que o constituem. São eles a disponibilidade, o desempenho e a qualidade. Confira a seguir!

Disponibilidade

O indicador de disponibilidade mede o período real em que a máquina trabalhou comparado à quantidade de tempo em que ela ficou disponível ou ociosa. Em uma empresa na qual as máquinas operam durante três turnos de cinco horas, seu tempo total de funcionamento ou de disponibilidade será de 15 horas diárias.

Se ela trabalhar por menos horas, não atuará em sua capacidade plena ou total, o que pode ser um indício de baixas na produção, de necessidade de manutenção ou de tempo em excesso gasto em paradas sem planejamento, apontando a necessidade de organizar melhor o tempo de produção dos maquinários.

Para calcular o índice de disponibilidade, a fórmula é a seguinte:

disponibilidade = tempo em produção/(tempo em produção + paradas planejadas + paradas sem planejamento)

Caso uma dessas máquinas que funciona 15 horas por dia precise passar por uma parada planejada de 30 minutos e, posteriormente, sofra uma avaria que necessite de uma parada não planejada de 45 minutos para a realização dos reparos, seu tempo de disponibilidade será reduzido.

Assim, temos:

disponibilidade = 900 minutos/(900 + 30 + 45) minutos = 900/975

O resultado da disponibilidade dessa máquina, portanto, equivale a 92%.

Desempenho

O indicador de desempenho está ligado ao rendimento da máquina na produção das peças, levando em consideração determinados fatores, como o ritmo e a velocidade de produção, comparando com o desempenho esperado.

Para realizar esse cálculo, basta utilizar a fórmula a seguir:

desempenho = quantidade de itens produzidos/quantidade de itens esperada

Pensando no exemplo anterior, se uma máquina que realiza 45 processos por minuto, por algum motivo, consegue realizar apenas 36, ela representa uma performance ou desempenho de 80%. Esse indicador permite identificar possíveis prejuízos ocasionados por paradas e perdas por velocidade, por baixa de produção ou por um mau uso dos equipamentos.

Qualidade

O identificador de qualidade informa a quantidade de defeitos que ocorreram na produção. Para calcular esse índice, é preciso usar a fórmula:

qualidade = quantidade de peças fabricadas– (quantidade retrabalhada + quantidade de peças perdidas)/quantidade de peças fabricadas

Por exemplo, se, na nossa máquina, dos 36 processos realizados por minuto, quatro foram perdidos, teremos um índice de qualidade que equivale a aproximadamente 88%.

A partir desse cálculo, a empresa consegue mensurar os gastos com material e com retrabalho, além de evitar consequências relacionadas à insatisfação dos clientes por produtos que apresentam uma qualidade inferior.

Toda organização define um índice de qualidade esperado na produção que deve ser atingido pelas máquinas para manter bons níveis de rendimento. Para nortear o processo de produção, há um valor mundial de 99% para o indicador de qualidade.

Aprenda como fazer o cálculo OEE

Após conhecer todos os indicadores, você vai aprender como, de fato, fazer o cálculo OEE. Basta utilizar a seguinte fórmula:

OEE = disponibilidade (%) x desempenho (%) x qualidade (%)

A partir dos resultados obtidos, a empresa consegue mensurar se está conseguindo atingir as expectativas de produção ou se são necessários ajustes no maquinário para melhorar a produtividade e a qualidade dos itens produzidos. A métrica esperada é ficar o mais próximo possível de 100%, embora, na realidade industrial, nem sempre isso seja viável.

Para ter noção dos valores de referência, um cálculo OEE de 100% de eficiência corresponde a um padrão perfeito, em que não ocorrem perdas de produto ou de material, o que é um valor ideal, porém pouco praticável. Já um valor de 85% de eficiência está dentro do padrão mundial esperado, enquanto 60% e 40% representam valores de média e de baixa eficiência, respectivamente.

Entenda como as paradas afetam essa métrica

As paradas planejadas e não planejadas também afetam o cálculo OEE. Por exemplo: o horário de almoço, momento em que o operador não está disponível para operar a máquina, não deve ser contabilizado no cálculo, mas, sim, considerado como uma parada planejada, para que o índice de eficiência não seja afetado.

Com o desenvolvimento da tecnologia, as empresas podem investir na automação para garantir a produção contínua e independente da força humana. Contudo, em alguns casos, a legislação não permite que os equipamentos permaneçam em produção nos horários das refeições, uma vez que dependem dos operadores para funcionar.

Como você viu, o cálculo OEE é o principal indicador de eficiência global das máquinas no setor industrial. Com essa métrica, é possível mensurar se as máquinas estão operando corretamente e em sua total capacidade, se há ajustes a serem feitos nas paradas planejadas para o reparo dos maquinários e se o produto fabricado está atingindo os níveis de qualidade esperados.

Gostou deste conteúdo? Então, assine a nossa newsletter para ser o primeiro a receber todas as novidades!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts