Saiba agora mesmo o que é a aramida

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Em 1965, a química Stephanie L. Kwloke se deparou com uma descoberta incrível: a manta de aramida. Partindo de uma solução de polímero líquido turvo, criada para ser uma alternativa leve ao aço usado no reforço de pneus, a inventora levou cerca de 15 anos para aperfeiçoar e desenvolver aplicações para o produto, gastando mais de meio de milhão de dólares nisso.

O resultado — uma fibra muito leve e absurdamente resistente, capaz de proteger até cinco vezes mais do que o aço — foi aplicado em mantas que fazem parte da confecção de luvas de proteção para atividades especiais e muitos outros apetrechos.

Porém, as aplicações da aramida vão além do universo do EPI. Esse material é visto em tanques de combustível de carros de Fórmula 1, em coletes à prova de bala e até em modelos profissionais de raquetes de tênis.

Neste conteúdo, vamos aprender um pouco mais sobre esse material incrível, suas aplicações e por que optar por equipamentos de proteção individual feitos com aramida. Pronto? Então vamos lá!

Por que optar por um EPI de aramida?

De todas as fibras sintéticas, a aramida está entre as que oferecem maiores níveis de proteção. Ela apresenta alta resistência técnica e consegue suportar muita pressão mecânica, o que faz com que seja ideal para uso em equipamentos que protegem contra cortes e perfurações. No mercado de EPIs, a aramida é bastante utilizada para a confecção de luvas e mangotes de alta performance.

Os EPIs de aramida são extremamente fortes e duráveis. Isso faz com que esse seja um excelente material para a confecção de equipamentos de proteção individual manipulados diariamente, como as luvas resistentes a corte.

A maleabilidade do material mantém o usuário livre para realizar todos os movimentos de que precisa para concluir seu trabalho, e a sua leveza (até 25% maior do que a de outras fibras com o mesmo nível de proteção) confere destreza para atividades de alta precisão.

Tarefas em que movimentar-se de maneira correta e manipular equipamentos pesados e arriscados é parte constante da rotina de trabalho são as mais beneficiadas pelo uso de luvas e de mangotes de aramida, para proteção das mãos e dos braços.

Ao contrário de outras mantas utilizadas na produção de equipamentos resistente a corte, a aramida não encolhe na hora em que é feita a limpeza, o que dá ao produto um ciclo de vida maior em comparação com outros. Tudo isso torna esse material o ideal para a confecção de equipamentos de proteção para indústria metalúrgica, automotiva, química, petroquímica, para o agronegócio, entre outros.

Quais são as vantagens desses equipamentos de proteção individual?

Os EPIs feitos em aramida são bastante versáteis, suportando o calor sem sofrer degradação. A seguir, veja algumas das características que fazem com que ela seja tão resistente e indicada para a produção de luvas de proteção ao corte.

Leveza

Embora a aramida seja bastante forte (protegendo cinco vezes mais que o aço de mesmo peso), ela é bastante leve. É possível esticar e puxar o material milhões de vezes sem danificá-lo, embora ele não pareça pesado ou desconfortável de se utilizar.

Resistência ao calor

Ao contrário de outros poliméricos sintéticos usados na confecção de equipamentos de proteção individual, como os plásticos, a aramida não derrete. Ela consegue suportar temperaturas altíssimas e começa a decompor apenas em temperaturas acima de 450°C. Isso faz com que ela seja apropriada para múltiplos ambientes de trabalho, como o das siderúrgicas.

Resistência química

Luvas feitas em aramida têm excelente resistência ao entrar em contato com diferentes químicos. A exposição prolongada pode prejudicar o material, mas o contato momentâneo com bases e ácidos não é o suficiente para corroer esses EPIs.

Proteção contra cortes

A maioria das lâminas, facas e itens perfurantes com que os trabalhadores entram em contato no dia a dia são incapazes de cortar a aramida. Para que esse material seja perfurado, é preciso adquirir uma tesoura ou faca especial, feita em aço de carbono e reforçada com molibdênio e vanádio.

Em quais indústrias são usados os EPIs de aramida?

Quer saber em quais segmentos as luvas e mangotes de aramida são utilizados com mais frequência? Confira algumas de suas aplicações.

Agronegócio

A manutenção de equipamentos, como colheitadeiras, exige o uso de luvas resistentes ao corte para proteger o colaborador de perfuramentos. Nessa área, o uso de equipamentos de aramida oferece muito mais proteção do que a utilização de EPIs de polietileno.

Metalurgia e siderurgia

Lidar com os equipamentos cortantes e o calor típicos do trabalho em metalurgia e siderurgia fica muito mais seguro com o uso de luvas de aramida. A rebarbação de peças, por exemplo, é uma das atividades que demanda esse tipo de EPI.

Qual a diferença entre a fibra de aramida e a fibra de vidro?

A fibra de aramida se trata de uma fibra sintética, constituída por meio de nylons aromáticos. A composição desse material apresenta pigmentação de cor amarelada, com um alto nível de resistência e leveza e, por esse motivo, tem ampla circulação no mercado.

Também conta com uma série de propriedades, por exemplo, resistência térmica, mecânica, à corrosão, à abrasão, estabilidade dimensional, impacto ao foco e demais características que geram para a mercadoria um vasto campo de aplicações, seja em produtos de segurança pessoal (capacetes, jaquetas, coletes, luvas), produtos de balística, blindagem de automóveis e demais.

Outro ponto que pode apresentar diferenças está nos tecidos, que são encontrados em tramas unidirecionais e bidirecionais, com variados padrões de costura e em muitas gramaturas, bem como tecidos com poliéster, resina epóxi, estervinílicas, em formato híbrido, alinhados a fibras de carbono ou vidro.

Além disso, apresentam até cinco vezes mais resistência que o aço, o que faz com que esse material seja fundamental quando se trata de necessidades referentes à rigidez e leveza. O custo do material de aramida vai depender da especificidade de cada função que ela vai exercer e, por meio dessa demanda, calcula-se o volume a ser utilizado e a área coberta por ele.

Já os tecidos de fibra de vidro são fáceis de serem identificados por sua padronização, tendo em vista que costumam manter o mesmo traçado em várias aplicações. São desenvolvidos com vidro tipo E, que proporciona uma maior resistência a delaminação, flexão e tração do laminado.

Apresenta as laterais costuradas e aparadas para impedir desfiamento ou perda de fios, proporcionando:

  • redução de peso;
  • resistência mecânica;
  • menor teor de resina;
  • minimização de espessura do laminado.

Também possui benefícios no momento da laminação, já que é um tecido estruturado, conseguindo simplificar o corte, reduzir o desperdício e aumentar a produtividade.

É um material praticamente constituído de uma reunião de finos filamentos flexíveis de vidro com resina poliéster, ou resina de outro modelo. Permite a produção de várias peças com formatos e tamanhos diferentes, como as placas para montagem de circuitos eletrônicos e demais itens para fins industriais.

Devido às suas propriedades químicas e físicas, a fibra de vidro tem uma alta qualidade com resinas de silicone, poliéster e epóxi, além de contar com características como resistência elevada aos agentes químicos, leveza, ser um produto higiênico, não apodrecer etc. Além disso, é reciclável e tem baixa condutividade térmica, o que elimina passagens térmicas, gerando uma economia de calor relevante.

Como deve ser o uso e conservação das luvas de aramida?

Existem alguns cuidados que são essenciais para o bom uso e conservação das luvas de aramida. Entre eles, estão:

  • calçar as luvas com as mãos limpas e secas;
  • o tamanho precisa ser apropriado para as mãos, afinal, se for grande ou pequena, é capaz de dificultar o tato e expor o usuário ao risco de acidentes;
  • lavar o item conforme as orientações do fabricante, bem como respeitar o número de vezes que pode ser lavado. Após atingir a quantidade máxima, fazer o descarte como especificado;
  • não utilizar luvas rasgadas ou que apresentem qualquer outro tipo de dano.

Assim como na hora de comprar outros EPIs, para adquirir equipamentos de aramida, é muito importante confiar no seu fornecedor. Luvas e mangotes compostos desse material devem ter certificados de autenticação e passar por testes que comprovam a proteção ao corte correspondente à indicada pelo fabricante.

Buscar uma empresa reconhecida no mercado, com anos de experiência e excelentes recomendações é o mais indicado na hora de comprar equipamentos feitos em aramida. A Volk do Brasil está no mercado nacional há duas décadas, oferecendo equipamentos de alta segurança e performance, como os itens de proteção ao corte feitos em aramida, e pode ajudá-lo a encontrar a luva mais adequada para as atividades realizadas na sua empresa.

Quer conhecer os melhores equipamentos de proteção individual disponíveis no mercado? Entre em contato conosco e conheça nossos produtos!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts