Como escolher o EPI para óleos e graxas?

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O trabalho em oficinas mecânicas e demais segmentos que lidam com óleos e graxas exige uma série de cuidados que objetivam não apenas manter a integridade física dos trabalhadores, mas, sobretudo, proporcionar mais conforto durante o desempenho do ofício. Por esse motivo, a escolha de EPI para óleos e graxas deve ser bastante criteriosa, de modo que os itens aliem segurança e funcionalidade.

Caso contrário, além do risco de danos para o trabalhador em si, as peças manuseadas também podem sofrer com os estragos. O manuseio de certos produtos químicos com luvas de baixa qualidade ou não aprovadas para o uso em específico, por exemplo, pode causar interações prejudiciais entre esses produtos e o material do EPI, gerando avarias nos maquinários e objetos que serão utilizados logo em seguida.

Mas, então, como garantir um dia a dia de trabalho totalmente seguro e livre de prejuízos operacionais? Continue a leitura e descubra!

Quais os riscos para quem trabalha sem EPI?

O grau de risco ao qual os profissionais sem EPI estão expostos varia conforme a atividade desenvolvida. No caso de quem lida com óleos e graxas, as reações químicas desses produtos são o principal fator de preocupação. As luvas, portanto, são itens indispensáveis, até porque na maioria das vezes o profissional trabalhará com peças pesadas e que demandam muito esforço para o manuseio.

Nesse sentido, manter o local de trabalho organizado também é uma estratégia primordial para minimizar riscos. As ferramentas devem estar devidamente guardadas. Quanto ao espaço de circulação, quanto mais livre melhor. Assim, evitam-se acidentes de percurso com as máquinas ou objetos cortantes.

Inclusive, vale reforçar que o Ministério do Trabalho (atualmente Secretaria do Trabalho) considera alguns serviços com óleos e graxas uma atividade insalubre, o que significa que, dependendo da atividade, o profissional do ramo tem direito a receber o adicional por insalubridade. Mas saiba que, caso o trabalhador dispense o uso dos EPIs, é obrigação da empresa exigir a utilização e responsabilizar-se pela segurança de todos os envolvidos no processo.

Quais os principais EPIs para óleos e graxas?

Vamos agora aos EPIs para óleos e graxas que não podem faltar para quem trabalha no segmento.

Avental de proteção

É comum que mecânicos dispensem esse item básico de segurança. No entanto, o avental é um EPI importantíssimo para o profissional durante o manuseio dos produtos químicos que compõem seu arsenal de trabalho. Nos processos de soldagem, por exemplo, o avental (normalmente de raspa) é peça obrigatória. Quando os produtos manuseados são líquidos, o uso dessa vestimenta (normalmente em PVC) também faz toda a diferença para a segurança do trabalhador.

Luvas nitrílicas impermeáveis

Há diversos tipos de luva no mercado da Segurança do Trabalho. Contudo, quando se trata de EPI para óleos e graxas, as luvas que apresentam melhor desempenho são oriundas de borracha sintética (geralmente as nitrílicas) que, só poderão ser adotadas, mediante ao ensaio e aprovação para os referidos agentes químicos, bem como todas as avaliações ambientais pertinentes ao processo. É isso que vai garantir a integridade física do trabalhador no momento de manusear maquinários e produtos, especialmente os líquidos. O material nitrílico é resistente a furos e abrasões, aliando segurança e conforto para o profissional.

Respiradores purificadores

O trabalho com óleos, solventes, gorduras, graxas e outros materiais do gênero demanda o uso contínuo do respirador para evitar exposição aos agentes nocivos. Embora muitas substâncias que fazem parte do dia a dia desses profissionais não causem reações imediatas, em longo prazo, a saúde do trabalhador pode ficar comprometida. Por isso, mesmo que a tarefa pareça inofensiva, utilize o respirador.

Protetores auriculares

Assim como no tópico anterior, trabalhar sem protetores auriculares durante algum tempo talvez não cause dano algum à saúde do profissional. Porém, com o passar dos anos, ele certamente terá sua audição afetada por ter se submetido a elevados níveis de ruído diariamente e por longas horas consecutivas. Então, não se esqueça de priorizar esse item, até porque é bem mais fácil manter a concentração estando livre de barulhos.

Creme de proteção para as mãos

Eis outro item bastante controverso na rotina de quem trabalha com óleos e graxas. Existem mecânicos que não dispensam o uso dos cremes desengraxantes, mas existem aqueles que estão há anos no mercado sem se preocupar com o estado das próprias mãos. Contudo, vale lembrar que, muito além da questão estética, investir em sabonetes e cremes específicos é importante porque protege a pele de danos em longo prazo.

Quais os critérios para acertar na escolha?

Agora que você já conhece os principais EPIs para óleos e graxas, vamos aos critérios básicos para escolher o melhor equipamento.

Conheça bem as normas regulamentadoras

Estar por dentro do que dizem as leis trabalhistas é primordial para saber como fiscalizar sua equipe e, principalmente, quais os EPIs indicados para cada tipo de tarefa. A Norma que trata desse assunto é a NR6/MTE, a qual lista todos os equipamentos que devem ser fornecidos por uma empresa aos seus funcionários, assim como as obrigações institucionais e do próprio empregado quanto ao uso correto do EPI.

Existe também, a Norma Regulamentadora NR15, que determina “os procedimentos obrigatórios, em operações ou atividades consideradas insalubres (executadas acima dos limites de tolerância previstos)”.

Saiba quais são os riscos envolvidos nas tarefas

Para atuar dentro da lei e não correr o risco de levar multa pela fiscalização, é necessário que o profissional responsável pelo setor de Segurança do Trabalho da empresa saiba exatamente os riscos envolvidos em cada atividade e o que fazer para minimizá-los. Essa responsabilidade anda junto com o conhecimento sobre as Normas Regulamentadoras. Por isso, a presença de um gestor assertivo é tão importante.

Conte com um fornecedor especializado

Pouco adianta conhecer a fundo as normativas e ter um excelente departamento de Segurança do Trabalho se a empresa não adquirir EPIs de máxima qualidade. Nesse sentido, contar com um fornecedor especializado é pré-requisito para ter equipamentos certificados e a certeza de que os itens vão cumprir o que prometem. Quando se trata de segurança, não dá para agir no improviso.

Então, ao escolher o EPI para óleos e graxas, priorize esse critério e fale com quem entende do assunto. A Volk do Brasil atua há mais de 20 anos no mercado brasileiro, comercializando e distribuindo Equipamentos de Proteção Individual para empresas de todos os portes e diversos segmentos.

A missão da Volk do Brasil é proteger, educar e conscientizar pessoas todos os dias, aliando tecnologia, sustentabilidade e qualidade de vida para os trabalhadores.

Entre em contato conosco e conheça os EPIs certificados pelas mais rígidas normas de segurança do mercado!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Cadastre-se para receber notícias sobre Segurança e Saúde no Trabalho.
É GRÁTIS!

Mais Posts